TRAVESSIA EM ÁGUAS ABERTAS: IMAGINÁRIO SOCIAL DA AVENTURA E RISCO DE ATLETAS CEGOS

Autores

  • REGINA MARQUES NUNES ROSA
  • MARIA AUXILIADORA TERRA CUNHA

Palavras-chave:

travessia / aventura / cegos.

Resumo

Estudo qualitativo e exploratório com oito cegos do Instituto Benjamin Constant, em travessias em águas abertas, empregando entrevistas semi-estruturadas e Alegoria dos Animais, permitindo formular sonhos projetivos dos ideais de pulsões. Visa compreender alguns sentidos dessa aventura, orientação e mobilidade corporal, explicitando o mundo das significações que constituem o Imaginário Social desses nadadores, destacando alguns elementos simbólicos e místicos expressos em seus discursos. Cegos praticantes de esportes exercitam, além da atividade física, o direito de ir e vir com independência e autonomia. É no exercício dessa prática que com liberdade, ousam e desafiam suas condições de deficientes. Ver o mar em toda sua extensão nos leva a viagens fantasiosas, imaginativas. Quando a imagem é construída se dá subjetivamente por indícios de percepção, palavras, linguagem e, não só, pelos órgãos da visão. Ainda que o corpo não veja essa realidade, poderá senti-la. A aventura desse atleta no mar é representada por suas sensações e imagens construídas e impregnada de sentidos. Vários discursos estão presentes no universo dos deficientes, fornecendo pistas para compreensão desse imaginário social. Desvendá-los traz novas discussões e olhares. Renascer heroicamente das águas do mar, buscando forças para o dia a dia, é superação, conquista que parecem conseguir para, numa perspectiva inclusiva, encarar a discriminação social. Ao interpretar os resultados detectamos três animais. Ligado à trilogia dos elementos terra-água-lua, o cachorro tem função de psicopompo, clarividência, guia, feiticeiro, vidente. Os golfinhos simbolizam regenerescência, adivinhação, sabedoria, prudência, deslocamento, senhor da navegação. O vôo da ave estabelece relações entre céu e terra, libertação, presságio, mensagem do céu, leveza. A aventura de nadar em águas abertas permitiu-nos compreender esse imaginário, onde água é vida, se descobrindo nas trevas, regenerando-se. Movem-se por símbolos de vidência, força interior, superação, conquista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Como Citar

ROSA, R. M. N., & CUNHA, M. A. T. (2015). TRAVESSIA EM ÁGUAS ABERTAS: IMAGINÁRIO SOCIAL DA AVENTURA E RISCO DE ATLETAS CEGOS. Fiep Bulletin - Online, 76(1). Recuperado de https://fiepbulletin.net/fiepbulletin/article/view/5174

Edição

Seção

TRABALHOS PUBLICADOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2 3 > >>